19 de março de 2012

ISABELLE TUCHABAND - BRASIL










1968
Nascida em março de 1968, na cidade de Taubaté, interior do estado de São Paulo, Isabelle Tuchband é filha do pintor francês Émile Tuchband (1933-2006) e de Marlene Tuchband. Passou sua infância entre a cidade de Taubaté e a praia da Fazenda, em Ubatuba, litoral norte de São Paulo. Cresceu entre as tintas, telas e pincéis do ateliê do pai, aprendendo desde cedo a ver o mundo com as cores da arte.

 
Nascida e crescida entre os pincéis do pai, o pintor francês Emile Tuchband, Isabelle transportou para sua arte um tempero delicioso, misto de intuição, talento e de uma inspiração que vem do ato de observar. Atraída pela rua e as pessoas que passam, capta, instintivadamente o movimento e a essência do que vê. O resultado de seu trabalho inventivo levou Isabelle a ser a primeira artista contemporânea a expor na Galerie Landrot, em Paris.

Ela se dedicou à arte desde menina, estudou História da Arte no Louvre e fez a Ecole des Arts Décoratifs. Isabelle está catalogada no Dictionnaire Benezit, ed. Grund. Mistérios e amor estão retratados em sua obra.

De volta ao Brasil, abriu o Atelier Cité onde expõe suas preciosidades, sempre junto com sua parceira dos pincéis, Verena Matzen. As duas já participaram de várias exposições: São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador, Piracicaba, Beirute, Berlim, Madrid, Paris. Fizeram juntas também um painl de azulejos no metrô Santa Cruz, em São Paulo.


1986 Com 18 anos, incentivada pelo pai, Isabelle teve aulas de escultura com o artista plástico José Demétrio, um dos principais escultores do Vale do Paraíba, estado de São Paulo. O escultor comenta com o pai de Isabelle: “sua filha tem jeito para a arte”. Ela deixa Taubaté para estudar em São Paulo. 1987 Estudos de Artes Plásticas na escola Santa Marcelina, em São Paulo. Curso com o pintor brasileiro Paulo Pasta. 1988 Estudos de Artes Plásticas na École des Arts Décoratifs, no Museu do Louvre, em Paris, França.
 




1989 De volta ao Brasil, inaugura em São Paulo o Atelier Cité, com a pintora Verena Matzen. Dedica-se, principalmente, ao trabalho em faiança e porcelana.
 
1992 Exposição “São Paulo” na Galeria Consolação, projeto “São Paulo para Todos” da Prefeitura Municipal de São Paulo.
 
1993 Exposição individual “Faianças” no Museu Banespa, em São Paulo
 
1994 Exposição no Café Design Tok&Stok em São Paulo e Curitiba.

             1995 Exposição no Museu Banespa, em São Paulo, e Loja Hum, no Rio de Janeiro
 
1996
Painel de cerâmica instalado na estação de metrô Santa Cruz, em São Paulo, projeto “Arte no Metrô” da Prefeitura de São Paulo.
Exposição “Vase Vide” na Casa Brasil-Espanha, Madri, Espanha.

 
1997
Exposição individual “Vase Vide” na Galerie Landrot, em Paris, França.
Exposição no Museu de Arte Contemporânea (MAC), em Campinas, São Paulo.
Exposição “Artistes et Écrivains” no museu Monde de la Poste, em Paris, França.
Exposição no centro ecológico Gaia, em Piracicaba, São Paulo.
Exposição “Eles por Nós - Retratos” no Atelier Cité, em São Paulo.
 
1998
Exposição coletiva “Artuelle”, em Beirute, Líbano.
Exposição “Tuchband & Tuchband” na Galeria Casa das Artes, em São Paulo.
Exposição coletiva “Vive L'Afrique” no Musée de L'Homme, em Paris, França.
 
1999
Participação no Festival de Música e Artes, em Salvador, Bahia.
Inclusão no Dicionário Bénézit, ed. Gründ.
 
2000
Afresco individual em Paris.
 
2001
Exposição “México Imaginário” no Centro Cultural Casa das Rosas, em São Paulo.
Exposição “Confiance et Sérénité”, na Galeria Cité, em São Paulo.
 
2002
Exposição “Alma Paulista”, em São Paulo.
Exposição coletiva em Berlim, Alemanha.
Exposição individual “Ma Vie” no espaço Esfera, em São Paulo.
 
2003
Instalação individual no Pavilhão da Bienal, em São Paulo.
Exposição individual “Voilá mon Coeur” na Galerie Landrot, Paris, França.
 
2004
Mostra no Espaço Conceito, em São Paulo.
Afrescos para Unilever, São Paulo.
Exposição individual no Canvas, Hilton Hotel, São Paulo.
Exposição individual “Fellini”, no Centro Cultural Chakras, em São Paulo.
 
2005
Exposição na Assembléia Municipal de São Paulo.
Exposição coletiva no espaço Alumni Hall, em São Paulo.
Exposição coletiva no Museu de Arte Moderna (MAM), no Rio de Janeiro.
Exposição individual no Roti, em São Paulo.
Exposição e lançamento do livro “Voyage d'Amour”, Maison Z, em São Paulo.
Nascimento de Max Joseph, filho de Isabelle Tuchband e Joseph Catão.
 
2006
Convite para ilustrar capa de publicação da Maison de la France.
Exposição em Lisboa e Caiscais "Poeira".
Obra para Pedroso Osorio, Lisboa.
 
2007
Uma de quatro artistas brasileiros contemporâneos convidados para criar obra representada em ânfora comemorativa da empresa O Boticário.
Obra “O Amor Move o Mundo” concorre ao Prêmio Abril de Jornalismo.
Exposição individual "O Amor que Move o Sol e as Outras Estrelas", em Lisboa e Cascais, Portugal.
 
2008
Lançamento do livro "Será que eu sou assim?" no Mube-SP e na Pinacoteca do Estado de São Paulo; INSTITUTO OLGA KOS/dezembro 2008.
 
2009
Exposição "Papa et moi no Museu" no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Alvares Penteado MAB-FAAP - SP, com trabalhos de Isabelle e de seu pai, Émile Tuchband - maio 2009.
 
2010
Exposição "Aba Sheli" na Galeria do Centro de Cultura Judaica, São Paulo, com obras de Émile e Isabelle Tuchband.

Exposição individual "Viens", na Galerie Landrot, em Paris, França. De 17 de junho à 1 de julho 2010.

Lançamento das caixas de gravuras pela editora BURITI - Livraria Da Vila
São Paulo, Brasil
 
2011
Lançamento das caixas de gravuras (edição limitada) para o projeto SFK pela editora BURITI - Livraria Da Vila (Shopping Cidade Jardim)
São Paulo, Brasil
Pintura da Capela da Fazenda Borba Gato
Vale do Paraíba, Brasil
Criação de coleção de camisetas para a loja Bobstore
São Paulo, Brasil
Criação de uma coleção de cerâmicas para a loja Conceito Firma Casa
São Paulo, Brasil
 
2012
Participação em um evento da loja SCHUTZ da Oscar Freire
São Paulo, Brasil
Lançamento da coleção de jóias "Gitane" para a designer Francesca Romana Diana
São Paulo, Brasil
Exposição “Continuar-me” na ProArte Galeria, com a artista Verena Matzen (31 de agosto a 10 de outubro).
São Paulo, Brasil
 
2013
Exposição na WN Gallery , Basak Malone presents "The New Collectors Selection Exhibition" (5 a 18 de janeiro)
Nova York - EUA
Exposição " Isabelle Tuchband e a narrativa primordial" no Espaço Cultural Citi (14 de janeiro a 15 de março), curadoria Jacob Klintowitz
São Paulo, Brasil




Milagres e Maravilhas!!!
 
 

Viva la dolce vita!
 
 

Homenagem a Yves  Saint Laurent I 50 x 45 cm
 
 
 
 

Homenagem a Yves Saint Laurent II 50 x 45 cm
 
 
 
 

Homenagem a Yves Saint Laurent III 50 x 50 cm
 
 
 
 

Homenagem a Yves Saint Laurent IV 60 x 50 cm
 
 
 
 
 
Après-midi à la Campagne - 50x40cm
 
 
 

L'amour, toujours l'amour...
 
 
 
 
 
Madame Léon
 
 



Quem sou eu - 82x56cm
 
 
 
 

Minha vida,minha pintura,meu ar puro - 100x80cm
 
 
 
 

 Meu mestre-Homenagem a Matisse - 100x80




 
Remplie de soi-même
 
 
 
 
Flamenco girl
 
 
 
Bien dans sa peau
 
 
 
Vaso Troféu
 
 
 
 
La Japonaise - Homenagem a Monet
 
 
 
 
Je t'attends jour et nuit
 
 
 
Viva Sevilha!
 
 
 

Pussy Cat
 
 

Sugar Lips
 
 


Martha Argerich
 
 
 
 
Primavera - 100x80cm
 
 
 


Outono - 100x80cm
 
 
 
 

Gueixa - 120x90cm
 
 
 
 

Deusa da Fortuna - 192x148cm
 
 
 
 


Auto retrato I - 30x50cm
 
 
 
 
 

Auto retrato II - 52x43cm
 
 
 
 

Alegria Alegria - 140x180cm
 
 
 
 

Abrindo Portas - 65x50cm
 
 
 
 

 Fada Sereia - 130x130cm
 
 
 
 
 
I m not an angel - 90x70cm
 
 
 
 
 
O Príncipe Russo - 100x90cm
 
 
 
 

Louca por você - 88x70cm
 
 
 
 

Hotel Plaza - 150x40cm
 
 
 
 
 
 
Je suis à toi - 120x150cm
 
 
 


Hotel Negresco - 114x68cm
 
 
 
 
 
O lado fashion da artista plástica Isabelle Tuchband, fã de Yves Saint Laurent e de bolsas mini

Copyright © 2013 O Globo S.A.
SÃO PAULO - O único filho, Max Joseph, fazia sete anos em junho. Queria festa num desses bufês infantis. Mas, da mãe, ouviu:
— Filhinho, mamãe é artista, você nunca vai ter festa num bufê, é muito cafona.
Max comemorou em casa. A mãe dele, a artista plástica paulista Isabelle Tuchband, comprou balões vermelhos, encheu-os num posto de gasolina. Espalhou máscaras de bichos pela casa, onde funciona também seu ateliê, vestiu uma peruca roxa para recepcionar os convidados, com “vinho bom para os pais e comida boa para as crianças”.
— Foi a maior alegria, a maior confusão, e Max não se arrependeu — conta a artista que, assim como todos os bons, vive num universo muito particular, no caso dela repleto de cores e recordações.
A casa-ateliê, localizada numa pacata rua do Jardim Paulista, destoa das vizinhas: o portão é todo colorido e há vasos confeccionados e pintados por Isabelle presos nos muros. É dentro de um salão de vidro, cercada de livros, pincéis, santos, incensos e patuás que a artista cria vasos, quadros, esculturas, colagens e agora joias — parceria entre ela e a designer Francesca Romana Diana. A coleção Gitane é inspirada nas mulheres flamenca, francesa e cigana admiradas desde sempre por Isabelle, 44 anos. E em Yves Saint Laurent, “o melhor de todos os estilistas”, segundo a artista assumidamente fashionista. As 40 peças são sucesso de vendas nas lojas de Francesca, que estuda novas parcerias com Isabelle.
— Ela é nossa Maria Callas, nossa Frida Kahlo. Uma pessoa única, colorida, que passa uma enorme simplicidade. Tanto na vida quanto na obra. Sou louca para que ela desenhe umas estampas para mim — diz a estilista Adriana Barra, que quer levar Isabelle mais para o Rio. — Ela ainda é mais conhecida em São Paulo, mas acho que tem tudo a ver com o Rio. Isabelle combina com a moda carioca.
Voltemos ao lar da artista. Numa espécie de "casa da árvore", suspensa no jardim, dorme a babá de Max. Os quartos dela e do marido, o economista Joseph Catão, e o de Max ficam mais adiante. No lavabo, pôsteres — sem moldura mesmo e colados na parede — dos pintores mais admirados: Chagall, Basquiat, Matisse, Goya, Balthus e, claro, Frida.
— Amo pintar mulheres e vivo nesse mundo colorido. Sou um pouco obsessiva. Que artista não é? — conta Isabelle, que prefere criar de madrugada (depois que Max vai dormir) e sempre de pijama. — Com pijama você fica mais livre, nada lhe prende. Às vezes fico 30 horas seguidas trabalhando.
A paixão pela moda é antiga. Dona de um closet invejável, tem adoração por pequenas bolsas — a preferida é uma chanelzinha rosa bebê — e ficou próxima de Diane Von Furstenberg após pintar um retrato da estilista belga. Fez trabalhos para Grendene, Tok Stok, camisetas para Bobstore, assim como os painéis do restaurante paulistano Ruella, de Danielle Dahoui, e do Bar D’ Hôtel, no Leblon.
Até começar a criar joias. Ela e Francesca se paqueravam há mais de 10 anos. Em 2011, finalmente conseguiram se juntar.
Isabelle tem alma e passa muita verdade em seus trabalhos — diz a designer sobre a pintora de voz fina e tranquila.
Antes de a coleção sair, Isabelle mandou uma mala cheia de coisas para Francesca “conhecer o que me inspirava”. Eram flores, brinquedos, livros, máscaras, joias da família dela. O pai, o pintor francês Émile Tuchband, morto em 2006, adorava presentear a mãe, a brasileira Marlene, “vivíssima ainda e uma figura”, e a filha única — ela perdeu o irmão na adolescência após um acidente de carro — com joias compradas em suas longas temporadas europeias ou escolhidas no ateliê do melhor amigo dele, Haroldo Burle-Marx.
— Despejei tudo numa mesa lá de casa, analisei as coisas com calma e comecei a desenvolver as joias a partir desta coleção de relíquias. A Isabelle foi superaberta às sugestões e até quis que criássemos um lenço. Nunca tinha feito lenço, optei pelo algodão porque brasileira não gosta de lenço de seda — atesta Francesca.
Émile faz uma falta danada a Isabelle. Sempre que fala do pai, fica com os olhos marejados e diz:
— Ele me ensinou tudo aquilo que eu sou. Foi por ele que resolvi começar a pintar.
Auxiliar de Marc Chagall na elaboração do teto da Ópera de Paris, Émile se estabeleceu em Taubaté, interior de São Paulo, onde Isabelle nasceu, no fim dos anos 50. Em 1960, fez o famoso cartaz do filme “Orfeu Negro”. Ele sempre adorou paisagens, e Isabelle homenageia o pai sempre que expõe pelo mundo. No fim deste mês, ao lado da sócia Verena Matzen, inaugura uma exposição inspirada nos trabalhos do pai na galeria Pro Arte, nos Jardins.
— Pedi para a Verena me ajudar, não ia aguentar fazer isso sozinha.
As duas se conheceram nos anos 80, quando Isabelle passou uma temporada de dois anos em Paris estudando artes plásticas na École des Arts Décoratifs do Museu do Louvre. De volta a São Paulo, as duas inauguraram a já extinta galeria Atelier Cité, tema, aliás, de um livro de arte recém-lançado sobre a dupla.
— Cheguei à conclusão de que artista não tem que ter galeria de arte e sim, simplesmente, ser artista.
Desde então vende peças sob consulta, “muitas bem acessíveis”, em sua casa-ateliê e expõe pelo mundo: São Paulo, Paris, Líbano, Berlim, Rio, Lisboa. Até na Síria trabalhou.
— Uma pena, um país tão bonito, acabando (por conta da atual guerra civil).
Nas horas vagas, estuda cabala, medita, faz ioga e segue vivendo sem medo de envelhecer. Acha um horror, por exemplo, pintar mulheres muito plastificadas ou cheias de botox.
A beleza está nas expressões humanas. De que adianta perdê-las?
Segura o “rojão que é a vida” graças às sessões semanais com o analista Contardo Calligaris, a quem “ama de paixão”.
— Sou extremamente caótica, acho que todo artista é assim. A análise me dá um prumo.
 
 
 


 
 
 
 


Com um estilo único e muito característico (de longe dá para saber quando uma obra é dela), Isabelle adora pintar suas mulheres e flores usando muita cor e traços imperfeitos que acabam dando delicadeza à sua arte.
 
 
 
 
 
 
Oscar F.
 
 
 
 

Fabiana, Lilo & Tom
 
 
 
 
 
 
Adriana Fernandes





Ariane & Magnólia





Amor de Mãe





Juliana





Joyce e Juninho





Mônica & Mariana





O Maior Amor do Mundo - Sandra





Retrato - O Casal do Amor





Retrato Juliana





Família Maravilhosa
 
 
 
 
 
 Retrato de Família
 
 
 
 
 
 
 
Retrato de Família
 
 
 
 
Retrato Erika
 
 
 
 
Dengo - 170x120cm
 
 
 
 
 
Família Maravilha - 185x75
 
 
 
 
Lai - 50x40cm
 
 
 
 
 
Gilda Elena com a filha Glenda e os gatinhos
 
 
 
 
Viva a Rainha do Mar!
 
 
 
 
 
Vive les fleurs
 
 
 
 
 
La Japonaise - Homenagem a Monet
 
 
 
 
Viva Sevilha!
 
 
 
 
Toda sextaaaa-feira todo o mundo é baiano!!!
 
 
 
 
 
Audrey
 
 
 
 
Clara
 
 
 
 
Homenagem a Yves Saint Laurent
 
 
 
 
 
Queridos amigos, obrigada por todo o amor que recebi de vocês mille merci!!!
 
 
 
 
 
Thé entre femmes
 
 
 
 
 
Anja Lai
 
 
 
 
 
La realidad y el deseo!
 
 
 
 
Rain Kiss
 
 
 
 
Todo dia é Carnaval!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Não importa o mundo acabar, se for ao som de flamenco... olé!
 
 
olé
 
 
 
 
Sensation and ecstasy
 
 
 


 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Série Rose (Grand Modèle)
 
 
 
 
Vaso Trofeu - H= 85cm
 
 
 
 
Vida de Artista - H=65cm
 
 
 
 
Una Notte a Napoles - H=55cm
 
 
 
 
Viva os Noivos - H=55cm
 
 
 
 
 
 
 


Isabelle Tuchband - Artist
Sao Paulo - April 30, 2012
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



























 

Sem comentários:

Enviar um comentário